POR LEANDRO MURAD
Ficção Científica
Cartaz 2001 Uma Odisséia no Espaço
2001: UMA ODISSEIA NO ESPAÇO
2001: A Space Odyssey
Stanley Kubrick - 1968

Título original: “2001: A Space Odyssey”. Ano: 1968. Direção: Stanley Kubrick. Roteiro: Stanley Kubrick, Arthur C. Clarke (baseado no conto “A Sentinela”, deste último). Elenco: Keir Dullea, Gary Lockwood, William Sylvester, Douglas Rain. País: Reino Unido, EUA. Produção: Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), Stanley Kubrick. Fotografia: Geoffrey Unsworth.

Sinopse: Um misterioso monólito é descoberto por um grupo de humanos pré-historicos. Já no ano 2000, o mesmo artefato é encontrado enterrado na lua, e emite um forte sinal de rádio. 18 meses depois, uma equipe de astronautas (entre eles Dullea e Lockwood) é enviada ao planeta Júpiter, para investigar o local para onde se direcionaram as ondas de rádio. No meio da viagem, o computador HAL 9000 (voz de Rain) tem um surto psicótico e tenta eliminar um a um os integrantes da nave. Kubrick se baseou no conto “A Sentinela”, de Arthur C. Clarke para criar a mais importante ficção científica do cinema (e possivelmente a melhor, com poucos concorrentes à altura). Paralelamente, Clarke escreveu o livro “2001: Uma Odisséia no Espaço”, que explica mais didaticamente os eventos da aventura. Já Kubrick não explica, apenas mostra: a odisséia no espaço é uma experiência sensorial que deixa o espectador embasbacado. O espetáculo é essencialmente visual, mas não apenas: a música de Johan Strauss II (“O Danúbio Azul”) e de Richard Strauss (quem não associa o filme às notas de “Also Spach Zarathustra”?) casam perfeitamente com as imagens. Some-se a isso o realismo científico (por exemplo, o silêncio no espaço) e ótimos momentos de suspense a cargo do vilão Hal.

141 min.