POR LEANDRO MURAD
Terror
Cartaz Häxan - A Feitiçaria através dos Tempos
HÄXAN - A FEITIÇARIA ATRAVÉS DOS TEMPOS
Häxan
Benjamin Christensen - 1922

Título original: “Haxän”. Ano: 1922. Direção: Benjamin Christensen. Título alternativo: “Witchcraft through the Ages”, “Häxan: Witchcraft through the Ages”. Roteiro: Benjamin Christensen. Elenco: Maren Pedersen, Clara Pontoppidan, Edith Pio, Oscar Stribolt, Tora Teje, John Andersen, Benjamin Christensen, Poul Reumert, Karen Winther. País: Suécia. Produção: Aljosha Production Company, Svensk Filmindustri (SF). Fotografia: Johan Ankerstjerne. Música: Launy Grondahl.

Sinopse: Dividido em sete partes, “Häxan” mostra como a bruxaria se desenvolveu na História. O filme começa como uma aula, mostrando slides com textos explicativos. Mas não demora a impressionar o espectador com as suas dramatizações: sonhos, delírios e pesadelos desfilam na tela em representações das crenças místicas medievais e do horror real da inquisição. O autor apresenta tudo isso de forma explícita (com alguns elementos impossíveis de se ver no cinema convencional pelas décadas seguintes) e, ainda, com uma fina ironia. As cenas de “sabás”, bruxas e demônios tiveram inesgotável influência sobre o gênero terror. A tese do dinamarquês Benjamin Christensen é de que a noção de bruxaria tem base em superstições ingênuas e que a origem delas são provavelmente o que então já se classificava como casos de histeria. Mas, ao final, quando já nos sentimos confortáveis em nossa modernidade, o autor provoca ainda mais ao insinuar que o tratamento dado ora às histéricas não era satisfatoriamente melhor do que o dado outrora às bruxas. Com qualidade técnica elevadíssima para o período, o filme é uma obra única, impressionante e imperdível.

91 min.